12/04/10

Ah e tal, voltei.

Queria dizer a todos que estou de volta! yupi!
Não, a sério, não é nada de emocionante. Nada mesmo. Se calhar só uma ou duas pessoas vão reparar que eu voltei. Os outros não se interessam. Também se calhar fazem bem. Para que interessarem-se?? Para quê comentar os posts mais ridículos? O que eles devem pensar é mais ou menos: "Vou mas é para a televisão, que vai começar o "Achas que sabes dançar" e eu quero ver mais gente a cair do palco. Não, não me bastou o Pedro Abrunhosa, nem aquela tal Raquel, eu quero mais! MUAHAHAHAHA!!"

Enfim...

Não se pode mudar o mundo não é? Ou pelo menos, não se pode obrigar toda a gente a ler as porcarias que eu aqui meto. E eu até me esforço! Divulgo e tal... Mas não vale a pena.

Por isso vamos falar de outras coisas.

1- Sim, mudei o visual do blog. Estava cansada do preto, mas agora parece um site de uma escola. Pelo menos a mim faz-me lembrar um site de uma escola. Mas isso sou eu.

2- Continuo sem saber o que meter aqui. Por isso, pelo amor de todos os santinhos, AJUDEM-ME!!! Alguma sugestão? Histórias? Poemas? Coisas aleatórias? De tudo um pouco?
Ahh, eu sei lá! :S

Bem, desta vez vou mesmoo tentar não deixar o blog abandonado por 1 mês ou mais. Vou tentar.

Não se esqueçam das sugestões, sim? :)

22/02/10

Regal Soul


Ainda se lembram da bússola dourada, o filme? Aquele que deu na SIC nas ferias de Carnaval. Pois eu tenho de admitir que quando vi no cinema, adorei o filme, e li os livros todos da saga. E não me importava nada de ter um "daemon". Mas pronto, como não tenho, dediquei-me a uma intensa busca por testes do tipo "qual seria o seu daemon" e encontrei um bastante bom. Está em inglês, mas não interessa. O site é um pouco estranho por causa do nome (ok-cupid ou assim) mas o teste é muito bom mesmo. é preciso ter paciência porque são 70 e tal perguntas, mas para quem nao tem nada que fazer... é optimo. Cliquem AQUI para o teste.

Bem, a mim deu-me "Regal Soul"

"You love to be around people. Without them, you would wilt and fade away. Too much time alone leave you feeling listless and sad, but a good night out with your buddies puts the spring back into your step. You make friends easily, because you know how to adjust your behaviour for each person. With a rowdy, loud, social type of person you can be rowdy, and loud, and social. With a timid and mousy person you can be quiet and sensitive. While you have many friends and many faces, you have an inner circle of friends and family with whom you can truly be yourself.
You are a natural leader. You tend to be calm and rational, and it is rare that you get angry or upset. Often, when someone accidentally hurts your feelings, you will smile and pretend not to be bothered by it, because you want to project a positive, self confident image. You pick your battles. When someone does cross the line, they are often surprised at the sudden strength of your defensive attack. On the rare occasion that someone evokes anger or tears from you, it seems to them that this storm burst from clear blue skies.
Your daemon would represent your social, outgoing nature, your adaptable presence, and your tendency to hide your sensitive spots from strangers. He or she would help you mold yourself to every variety of social situation, being calm or playful or frightening as each situation demanded. When alone together, he or she would be someone whom you could share your real feelings with.

Suggested Forms: Lion, Orca, Chimpanzee, African Elephant, Goldfinch."

Acho que mostra mais ou menos quem eu sou, tirando algumas coisinhas... E vocês agora devem estar a perguntar: Mas para que é que isto me interessa?? Pois, para já, nada do que eu escrevo aqui interessa, mas já agora gostava que comentassem a dizer se acham que aquele texto me define bem ou nem por isso. E se puderem, façam também o teste, porque agora fiquei curiosa ^^

P.s- I love you (hahaha era so no gozo, mas agora sempre que escrevo p.s dá-me vontade de escrever isto -.-'... a culpa é da Tvi, acho que foi lá que deu... ou foi na sic? Mas pronto, o que eu ia dizer é: Desculpem o texto estar em ingles, mas n quero correr o risco de traduzir mal :P

19/02/10

A Jornada de Joano (1ª parte)

Bem, hoje decidi publicar uma historia bastante deprimente, que eu fiz talvez no inicio deste ano. Foi escrita tendo um colega meu como fonte de inspiração, ele é o protagonista, apesar de ter vários pseudónimos... Mas enfim, como parece que esta na moda publicar historias estranhas, então cá vai o meu contributo para o mural de historias bizarras.

Eu não estava sobre o efeito de nenhuma substancia ilícita quando escrevi isto, a sério. A historia é um "apanhado" de frases e situações que aconteceram no dia-a-dia com esse colega e depois eu inventei só um bocadinho.

Mas enfim, por mais que eu me defenda, vocês vão tirar as vossas conclusões assim que a lerem, por isso nem vale a pena.

Então sem mais nada a dizer... cá vai!

A Jornada de Joano Pirolito



O Sol lançava s seus últimos raios dourados e vermelhos, que incidiam sobre o imenso horizonte desértico.
Joano Pirolito, após ter tropeçado num cacto, empalado o dedo mindinho e injuriado contra a natureza e o aquecimento global, Joano levantou-se e sacudiu a areia.
Estava muito mal disposto após o seu almoço de rodovalhos empapados em molho de repolho, com o Xeque a Arábias. Dirigia-se para o pequeno motel de areia situada em rapatatatuti. Deslocava-se pelo vale dos camelos, um sítios coberto de imensos perigos, tais como carros a arder, lagartos empalhados e velozes BP’s.
Enquanto caminhava, Joano pensava no que estava a fazer no deserto de Tupi. A sua chefe, Dona Cascascrona mandou-o em missão secreta, para descobrir o grande ponto negro Jeremias, o assassino em série.
No seu emprego, Joano era conhecido por “Jhon-Killer” um nome que não lhe assentava bem, pois Joano gostava de coisas alegres e coloridas. Mas infelizmente, ficara viciado em matar, devido também ao CA onde era conhecido por DylloDays. Decidiu então alistar-se num emprego de mercenários, antes que virasse psicopata e começasse a matar raparigas à x-actada, para depois desaparecer misteriosamente do local do crime com mais outra das suas especialidades: Bombas de fumo. Alias, ele tinha um carinho tão especial por cegar momentaneamente os seus adversários e desaparecer sem deixar rasto com uma bomba de fumo, que ate lhe valeu mais um pseudónimo. Joano era conhecido também como “Smoke-Man”.
Com a sua potente sniper, o fato lança-chamas de alta qualidade, e a sua mochila equipada com bombas de fumo, seringas de vida e bolinhos de ruibarbo, Joano chegou ao motel, que se chamava Almeida XIX.
No seu pequeno quarto, Joano afastou a cadeira de verga, sentou-se sobre a sua colcha de macacos azuis e abriu o seu potente portátil da marca Barrbarrona. Abriu com desvelo o seu computador e observou os movimentos de Jeremias, via satélite.


*******************

O dia raiou com os galos a cantar alegremente. Irritado com o facto de não ter jantado e com o barulho dos galos, Joano agarrou na sua sniper e fez tiro ao alvo até só se ouvir o casal do quarto ao lado aos gritos e a atirar objectos frágeis pelo quarto.
Vestiu vagarosamente as suas calças pretas, a sua blusa preta e o casaco azul que todos adoravam menos o próprio dono.
Não tinha pressa pois na noite que havia passado, antes de adormecer, tinha interceptado uma conversa entre Jeremias e Senhor Toninho, o sapo daltónico e mafioso. Supostamente, iam-se encontrar às 6 da tarde, num café que era logo ao virar da esquina.
Após ter-se vestido, Joano Pirolito passeou um bocado pela rua de Picolho, observando os camelos e pessoas a passearem lado a lado.
Decidiu parar numa loja de origami’s dirigida por Carolinah, onde iria comprar pequenos souvenirs para a sua mulher, Zarzuela e para os seus vinte filhos, que viviam debaixo de duas bananeiras, na cidade de Za-Za.
Após ter comprado 100 sapos de varias cores e feitios, Joano encaminhou-se para o “Caminho das tangeras” onde comeu uma deliciosa refeição de bicos de pato, acompanhados por um shot de penas de ganso das arábias, o que o deixou bastante zonzo.
Após ter pago e dado uma gorjeta ridiculamente alta ao empregado de serviço, encaminhou-se para o seu quarto onde caiu adormecido sobre a colcha de macacos.


Fim da primeira parte.

Ah pois é! É que ainda falta muita coisa para escrever ^^

Mas pronto, se chegou até aqui sem ter telefonado para o Júlio de Matos a fim de me denunciar, então PARABÉNS, ganhou o direito de me comentar o post!! Ok... se não quiser, não comente... Mas eu gostava muito, a sério! :D

15/01/10

O positivismo

Bem, não tenho estado a escrever nada aqui, não por falta de tempo, mas sim por uma enorme falta de inspiração. Aliás, é como um diário: Levo meia página a prometer que não me vou esquecer de escrever quase todos os dias, e só volto a vê-lo passado um ano... Enfim, cada pessoa com as suas "manias" certo? Bem, hoje não me apetece meter um poema, mas sim falar convosco (se é que alguém lê isto). Queria falar sobre o positivismo. O que é que nos motiva a continuar adiante? Como é que ainda ninguém espancou um daqueles "doutores" que passam a vida a dizer que é preciso ser positivo? Simplesmente, porque dei conta de que isso é verdade. O mundo não acaba, por mais desgraças que nos aconteçam. Eu sei que agora muita gente vai dizer "ah, mas tu és uma criança, o que é que sabes tu da vida?". Pois posso não saber muito, mas é mesmo por não saber tanto, e por não ter "mil preocupações" que percebo melhor que existem soluções simples, mesmo para problemas complexos. E o primeiro passo para iniciar a solução, é termos consciência, que por muitas voltas que a vida vá dar, se continuarmos vivos, continuamos em frente e pronto. "Enquanto há vida, há esperança" certo? Não sei porque me lembrei de falar disto, a serio que não, mas acho que por mais ridículo que isto esteja, quem ler isto devia pensar bem sobre o assunto e entender que em maior parte dos casos, não há razão para tanto desespero. Tudo acontece por uma razão. E demos ver o que acontece não como uma coisa horrível, mas sim como uma oportunidade para nos "construirmos" tanto a nível pessoal, como do modo que olhamos para a sociedade.

19/12/09

Um poema

Este poema (se é que é isso que lhe querem chamar) já foi feito à algum tempo, num momento em que estava mesmo muito confusa com tudo o que se estava a passar à minha volta e com o desaparecimento da minha cadela... (podem ver o blog aqui)
E pronto foi um momento um pouco... "dramatico" e saiu-me isto... espero que não esteja assim tão mau...

Dúvida

Uma rua deserta
Entregue à perdição
Onde nada desperta
Da perigosa tentação

Um sitio sem vida
Em tons de cinzento
Onde não há saída
Onde não há movimento

É assim a duvida
Que persegue como uma sombra
Que azeda a vida
Tão depressa como uma onda

E nas palavras com melodia
Se esconde a dor da emoção
Isto que eu escrevo é poesia
Que são as lágrimas do coração

Lagrimas pela duvida
Quem me aflige o pensamento
Angustia pela memoria vivida
Que me persegue a todo o momento

E quando a felicidade
Vem para encantar
Volta a duvida, sem dignidade
Para muitos assombrar

Tanta gente que pergunta:

Para quê duvidar?
Talvez o mal é não saber:
Que por muitas voltar que a vida vá dar
Existem coisas que nunca nos vão pertencer

E a folha morta que cai no frio chão cinzento
É como uma alma que se perde
Na duvida, a rua sem movimento

Ok... só agora é que percebi que isto esta ridículo...--'
Não faz mal, pelo menos tento escrever algo de jeito não é? Obrigada a quem teve a paciência de ler, por favor comentem dando opiniões, criticas, o que quiserem, e até outro dia!

O que é isto??

Acredito que seja isso que pensam. Pois eu passo a explicar:
Decidi criar este blogue porque já estou farta de escrever em folhas e cadernos, que andam à solta pela casa, ou que simplesmente desaparecem, por isso decidi passar tudo (ou maior parte) para aqui,(para provar a duas ou três pessoas que se dignem a ler isto) que eu ainda existem pessoas bastante ridículas. O que eu pretendo é mostrar-vos alguns "poemas" que eu escrevi, mas se me lembrar de escrever alguma coisa completamente "random" não se espantem. Por agora é tudo, eu volto em breve para meter um poema.

Mas por enquanto vá... sejam bonzinhos, e levantem-me a moral, comentando!!